Alessandra Pereira e sua relação com a área de TI

19 de julho de 2017
• Escrito por

Hoje, dia 19 de julho de 2017, iremos dar continuidade a mais uma matéria falando sobre as mulheres que atuam na área de TI. Tivemos a oportunidade de bater um papo com Alessandra Pereira, de 24 anos, que é graduanda em Engenharia da Computação e sua atual função é Dev Mobile.

Alessandra conta que desde pequena, por influência de seu pai que também é da área de TI, sempre esteve envolvida com a computação, e isso fez com que ela criasse paixão pela área. Apesar de toda essa influência, a área da tecnologia da informação não foi uma de suas primeiras escolhas para seguir como carreira profissional, ela também cursou Engenharia Civil, mas não se sentia completa, empolgada ou com expectativas quanto ao seu futuro profissional, mas quando pensava em atuar na área de Tecnologia, sentia exatamente o contrário. Foi então que decidiu tomar uma decisão arriscada, mudou de curso e começou a se dedicar ao que realmente gosta, que é atuar na área de TI.Embora estivesse sempre envolvida com a área, isso nunca era algo profissional, portanto, em 2014 ela entrou para um curso de Engenharia da Computação e foi então que em 2015 que realmente começou a atuar na área de forma profissional.

Ao perguntar se desejava trabalhar em alguma outra área, ela responde: “Sim, mas sempre interligando com a computação e afins. Por exemplo, a área de design com todos aqueles conceitos de UX aplicados em soluções de tecnologia que me interessam bastante”.

A desenvolvedora acredita que a maior dificuldade que o público feminino mais enfrenta atualmente para ingressar na área de TI é: a falta de estímulo que vem desde a infância, devido às imposições por conta das questões de gênero, onde a área de tecnologia acaba sendo vista como ”Um lugar de homem”.

Como mulher, atuando em uma área predominantemente composta pelo sexo masculino, é bastante desafiante, pois além de lidar com certos atos machistas, ela tenta ser uma agente transformadora disso, para poder então, alcançar uma maior inclusão feminina na área. Até agora, nunca sofreu nenhum tipo de rejeição, mas acredita que ainda haja certa rejeição no mercado de trabalho por ser uma mulher atuando nessa área, principalmente em algumas empresas mais conservadoras.

A Tecnologia da Informação em sua vida mudou tudo. Mudou sua forma de pensar, fez com que realmente se sentisse como parte de algo, fez com que visse o mundo com outros olhos e que tivesse a noção que ela pode transformá-lo. Acredita também que a participação feminina no mercado de trabalho de TI é importante, pois pode gerar diversidade, novas ideias e permitir a inclusão.Teve o apoio de seus familiares e parentes, e ao saberem de sua escolha profissional colaboraram bastante com o incentivo, pois sempre a identificaram nesta área.

Diz que o mercado de trabalho, atualmente, tem muito que oferecer às mulheres, da mesma maneira que existem inúmeras oportunidades sendo oferecidas, hoje em dia, todas elas devem ser levadas em consideração, não só para os homens, mas também para o gênero feminino. Acredita que com as inúmeras iniciativas que já existem e que estão surgindo, de apoio e incentivo a mulheres na área de TI, esse mercado tende a mudar bastante, não só para a inclusão delas, mas como para a aceitação no mercado também. Espera também que essas iniciativas continuem, da mesma forma que outras mudanças venham a ocorrer.

Perguntamos também qual a ferramenta que as mulheres detêm que pode vir a se tornar um diferencial no mercado de trabalho, ela respondeu: “A sororidade. É poder contar com essa união entre as mulheres, poder contar com a ajuda, não importa a situação, da mesma forma em que estamos disponíveis para ajudar outras demais, incentivando o trabalho, o apoio mútuo e transformando o meio”.A mensagem que Alessandra transmite para as mulheres que desejam ou exercem a profissão de TI é a seguinte: “Não desista e se esforce ao máximo, tendo sempre em mente suas motivações, para chegar onde deseja. Juntas podemos ir muito mais além”

Gostaríamos de dizer a todas as mulheres guerreiras que atuam ou desejam atuar na área de TI, siga! Nunca desista de seus sonhos e de seus objetivos, vá em frente, é lutando que poderemos então vencer. Para concluir, encerraremos essa matéria com a seguinte frase: “ A união faz a força”.